A sexta extinção em massa da Terra já começou, e nós somos os culpados

Segundo os cientistas, o planeta já passou por cinco extinções em massa nas quais diversas espécies importantes foram inteiramente dizimadas há milhões de anos. A última delas, ocorrida durante o período Cretáceo, pôs fim a todos os dinossauros e destruiu cerca de 60% da Terra.

Um estudo alarmante divulgado por um grupo de pesquisadores norte-americanos indica que nosso mundo atual está caminhando para o mesmo rumo. De acordo com a análise, as espécies estão desaparecendo em uma taxa 100% mais rápida do que a normal. Essa súbita perda da fauna terrestre possui um impacto direto na vida humana.

Por exemplo, sem os insetos para realizar a polinização, não há como novas árvores nascerem, e diversas espécies da flora também acabam morrendo. Além disso, com o sumiço dos pantanais e da vegetação ribeirinha, o processo de purificação da água acaba comprometido.

Um tiro no próprio pé

Segundo Paul Ehrlich, especialista em estudos populacionais biológicos e sênior da Stanford Woods Institute for the Environment, se o desaparecimento das espécies continuar no mesmo ritmo, em apenas três gerações a humanidade perderá diversos benefícios oferecidos pela biodiversidade.

“Estamos serrando o galho em que estamos sentados”, alerta o professor. Desde 1500, mais de 320 vertebrados terrestres foram extintos. Além disso, a média das espécies que restaram está decaindo em 25%. No grupo dos invertebrados, a situação também é alarmante: cerca de 16 a 33% dos animais estão em risco ou sob ameaça de sumir da face da Terra.

Todavia, os animais de grandes proporções que fazem parte da megafauna – incluindo nesse grupo os elefantes, rinocerontes e ursos polares – são os com maior taxa de desaparecimento, algo comparável aos acontecimentos de aniquilação anteriores.

Ehrlich defende que, de acordo com o estudo, nós estamos entrando no sexto grande evento de extinção em massa. O artigo publicado na Science Advances relata que, mesmo com estimativas mais conservadoras, os animais estão sumindo 100 vezes mais rápido do que o valor normal considerado em uma situação de extermínio em massa.

Gerardo Ceballos, pesquisador da Universidad Nacional Autónoma de México, informa que a espécie humana será uma das primeiras a desaparecer se as coisas continuarem como estão – sem contar que o planeta demoraria milhões de anos para se recuperar da catástrofe.

O aumento populacional do homem, o consumo exacerbado e a economia inadequada alteraram e destruíram o meio ambiente, dizem os cientistas. Por exemplo, a emissão de carbono ajudou a mudar o clima e transformar a acidificação do mar. Já as toxinas colaboraram na modificação e no envenenamento do ecossistema.

Ainda há esperança

Atualmente, a taxa de extermínio de todos os anfíbios é de 41% e dos mamíferos de 26%, relata a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais. Entretanto, Ehrlich acredita que ainda exista uma saída.

“Para evitar o verdadeiro sexto evento de extinção em massa, é necessário um esforço rápido e intensificado, visando assim preservar as espécies em risco e atenuar a pressão exercida sobre suas populações – a perda do habitat natural, a exploração exagerada para fins financeiros e as mudanças climáticas”, explica o professor.

Ceballo diz estar otimista. “No passado, nós já fizemos grandes avanços quando trabalhamos juntos para resolver um problema”, conclui.

Fonte: megacurioso

Verifique também

Em Vilhena, homem leva tiro após revelar desejo de transar com mulher de amigo

Um homem foi baleado durante uma discussão motivada por ciúmes na noite deste domingo, 21 …