segunda-feira, março 1, 2021

Astrônomos descobrem planeta 4 vezes maior que Júpiter e com 3 sóis

Planeta foi batizado de HD 131399Ab e está a 340 anos-luz da Terra.
Sistemas desse tipo não são comuns no universo, dizem astrônomos.

Desenho artístico mostra vista da estrela tripla (Foto: ESO/L. Calçada)
Desenho artístico mostra vista da estrela tripla (Foto: ESO/L. Calçada)

Uma equipe internacional de astrônomos anunciou nesta quinta-feira (7) a descoberta de um estranho planeta em um sistema solar distante que tem três sóis.

Segundo o estudo publicado na revista científica americana “Science”, sistemas solares binários, com dois sóis, são relativamente comuns no universo, ao contrário dos que têm três ou mais sóis.

“Imaginem isso: um planeta onde ou a luz do dia é constante ou há três amanheceres e entardeceres por dia, dependendo da estação, que neste caso dura mais que uma vida humana”, indicou um comunicado da Universidade de Arizona, que dirigiu a equipe de astrônomos.

O planeta foi batizado de HD 131399Ab, e está localizado a cerca de 340 anos-luz da Terra, na constelação Centaurus.

Os cientistas acreditam que se trata de um corpo cósmico relativamente jovem, de cerca de 16 milhões de anos, o que faz com que seja um dos planetas mais jovens descoberto fora do nosso sistema solar.

Também calculam que sua massa é quatro vezes maior que a de Júpiter, o maior planeta do nosso sistema solar.

O planeta descoberto tem uma órbita muito extensa, em volta da estrela mais brilhante das três.

“Durante a metade da órbita do planeta, que dura 550 anos da Terra, três estrelas são visíveis no céu, as duas mais fracas sempre mais próximas uma da outra”, comentou o autor principal do estudo, Kevin Wagner, que descobriu o HD 131399Ab no seu primeiro ano de doutorado.

“Durante grande parte do ano do planeta as estrelas aparecem próximas, o que lhe dá um familiar lado noturno e um lado diurno com um triplo entardecer e amanhecer todos os dias”, acrescentou Wagner.

“Conforme o planeta orbita e as estrelas se distanciam a cada dia, elas chegam a um ponto onde o entardecer de uma coincide com o amanhecer da outra”, disse.

Este fenômeno gera “luz do dia quase constante” durante cerca de um quarto da órbita do planeta, ou cerca de 140 anos terrestres, completou.

A equipe de astrônomos descobriu o planeta com o instrumento Sphere do Telescópio Muito Grande do Observatório Europeu Austral (ESO), no Chile.

Sphere é um dos instrumentos mais avançados no mundo para encontrar planetas que orbitam em volta de outras estrelas, e é sensível à luz infravermelha, o que permite detectar o calor emitido por planetas jovens.

Verifique também

Tatuagem eletrônica usa rugas da pele para aumentar sua eficiência

Uma equipe de pesquisadores da China desenvolveu uma nova técnica de aplicação de tatuagens eletrônicas …