sábado, fevereiro 27, 2021

Médica Brasileira anuncia que fará morte assistida na Suíça

Em 16 dias, estarei longe, na Suíça, fazendo o que me deixará livre da dor e do medo”. Com a postagem, publicada nas redes sociais, há três dias, a matogrossense Letícia Franco, de 36 anos, anuncia que decidiu ser submetida à morte assistida. A oftalmologista de Cuiabá avisou ainda que, dois dias depois, neste sábado (3), apagaria a própria conta no Facebook.

“A toda minha família, deixo meu mais sincero amor”, escreveu ela. A médica sofre de dermatopolimiosite, desde 2011. A doença autoimune causa uma inflamação crônica na musculatura. Dentre os sintomas que afligem Franco, “dores pelo corpo e nos músculos, febre baixa, desânimo e dificuldade para se movimentar”.

Conforme familiares de Letícia contaram ao jornal Livre, a médica teve o diagnóstico confirmado por uma equipe médica da Universidade de São Paulo (USP). A mãe da matogrossense, que também é médica e não quis identificar-se, informou que a filha precisa ser acompanhada por duas pessoas da família para fazer a morte assistida: “mas que mãe acompanha a própria filha para a morte?”, perguntou ao jornal do Mato Grosso.

A condição é considerada rara e, como aponta a Sociedade Brasileira de Reumatologia, citada pelo jornal Metrópoles, de 2 a 10 pacientes são diagnosticadas com dermatopolimiosite por ano, em uma população de um milhão de pessoas. Como no Brasil a eutanásia é proibida, a oftalmologista irá para a Suíça. Outros países da Europa, como Holanda, Bélgica e Alemanha permitem a morte assistida – assim como alguns estados do Canadá e dos Estados Unidos.

Fonte original: noticia ao minuto

Verifique também

Em Vilhena, homem leva tiro após revelar desejo de transar com mulher de amigo

Um homem foi baleado durante uma discussão motivada por ciúmes na noite deste domingo, 21 …