quinta-feira, março 4, 2021

MP provoca discussão para buscar alternativas em relação aos nômades da praça central

A reunião aconteceu no auditório do MP com a participação de todos os segmentos da sociedade.

noma_des-2-620x330A Promotora de Justiça de Espigão do Oeste, Laíla de Oliveira Cunha coordenou na tarde desta terça feira 10, uma reunião de trabalho com a participação de todos os órgãos públicos e seguimentos da sociedade civil organizada cuja pauta principal foi buscar alternativas para solucionar a problemática da praça central. A presença de dezenas de nômades (Indivíduos que não tem habitação fixa) na praça central e nas imediações vem trazendo uma serie de problemas que estão afetando a convivência pacifica dos cidadãos e das famílias que frequentam esse espaço alternativo no centro da cidade.

Ao abrir à discussão a promotora de justiça citou as muitas denuncias feita através da imprensa e também por cidadãos que chegam ao conhecimento do Ministério Público apontando para essa problemática envolvendo essas pessoas nômades que perambulam pelo local. Ao afirmar o objetivo dessa reunião envolvendo todos os segmentos da sociedade, Dra Laila de Oliveira explicou o dever e a responsabilidade de todos para se buscar uma solução plausível para a pracinha da cidade.

noma_des (1)

Representantes da classe política (vereadores), secretária de ação social e secretaria de saúde (executivo), a policia militar, policia civil, conselho tutelar, associação comercial, igrejas e imprensa foram convidados a fazerem o uso da palavra e darem a sua contribuição em busca de alternativas. Foram inúmeras as sugestões apresentadas e todas elas convergiam para um só objetivo encontrar uma maneira menos traumática para a retirada dessas pessoas da praça e em contrapartida darem a elas a oportunidade de conseguirem a ressocialização através de um acompanhamento assistido por entidades profissionais.

Uma das contribuições que despertou o interesse do Ministério Público foi levantada pelo presidente da câmara, vereador Darci Kischener que propôs a criação de uma comissão formada por representantes da sociedade civil organizada para fazer um levantamento real da situação. A contribuição citada pelo vereador Darci Kischener foi acatada pela promotora Laila de Oliveira que através da atuação do Ministério Público se prontificou a orquestrar as discussões para os desdobramentos das ações dessa comissão que segundo a proposta inicial contara com a participação de agentes representando todos os segmentos da sociedade.

Fonte: Luizinho Carvalho/Cientista Social

Verifique também

Em Vilhena, homem leva tiro após revelar desejo de transar com mulher de amigo

Um homem foi baleado durante uma discussão motivada por ciúmes na noite deste domingo, 21 …