Para debatedores, MP pode melhorar serviços aéreos

imagem_materia
A necessidade de melhorar os serviços dos aeroportos, aumentar as rotas aéreas no Brasil e reduzir o preço das passagens, especialmente para o interior, foi destacada na audiência nesta terça (24) pela comissão mista que analisa a Medida Provisória 714/2016.

Os participantes do debate afirmaram que esses são alguns dos resultados esperados com a aprovação da MP, que estabelece o fim, em 2017, do Adicional de Tarifa Aeroportuária, e aumenta a participação estrangeira no capital das companhias aéreas brasileiras de 20% para 49%.

O presidente da comissão, senador Hélio José (PMDB-DF), disse que o atual momento da aviação civil requer modernização e maior abertura para investimentos.

— Depois de passarmos por seguidas altas de demandas por bilhetes aéreos, a situação se inverteu e enfrentamos quedas recorrentes. A MP pode fomentar novamente a demanda — afirmou.

Rogério Teixeira Coimbra, da Secretaria de Política Regulatória do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, disse que a MP permite que a Infraero tenha um aumento de receita para viabilizar a melhoria dos serviços de infraestrutura e expansão dos aeroportos.

O diretor-geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), tenente-brigadeiro do ar Carlos Vuyk de Aquino, sugeriu uma emenda à MP que possibilite a transferência de subsidiárias da Infraero que tenham como objeto a navegação aérea ao Comando do Aeronáutica e ao Ministério da Defesa, que já executam 85% de toda a atividade de controle de tráfego aéreo no Brasil. Assim, a Infraero ficará mais focada em infraestrutura aeroportuária.

Preço exorbitante

Superintendente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Ricardo Bisinotto Catanant disse que a abertura prevista na MP não levará as empresas estrangeiras a dominar o mercado nacional nem expulsará as companhias brasileiras das rotas internacionais.

O relator, deputado Zé Geraldo (PT-PA), destacou a preocupação com a retirada de voos das rotas menos lucrativas e com os preços “exorbitantes” de serviços nos aeroportos.

— Você chega a pagar R$ 5 em um cafezinho ou em uma água mineral.

O diretor financeiro da Infraero, Thiago Pereira Pedroso, disse que em alguns lugares a concorrência pelo espaço de serviços nos aeroportos é muito maior do que a demanda. Como é um processo público, há licitação pelo aluguel, o que acaba alavancando o preço, repassado ao consumidor.

— O que tem sido feito é a busca de disponibilização de novos espaços para serem licitados para os serviços.

O deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) disse que as rotas que têm mais passageiros dividindo o custo do voo tendem a ser mais baratas do que as menos procuradas. A solução para atenuar essa diferença, segundo ele, está numa maior concorrência no setor.

— Não se pode garantir que, ao liberar capital estrangeiro, vai ser criada uma empresa nova, mas a probabilidade é muito grande.

Fonte: www12.senado.leg.br/

Verifique também

Em Vilhena, homem leva tiro após revelar desejo de transar com mulher de amigo

Um homem foi baleado durante uma discussão motivada por ciúmes na noite deste domingo, 21 …